Banco e empresa é condenada por bullying contra trabalhador.

A importância das empresas orientar a equipe de colaboradores e os próprios gestores a evitar prática do bullying no ambiente corporativo. A ação inicial veio da 5ª Vara de João Pessoa e decisão foi tomada pela Segunda Turma.  Os desembargadores da Segunda Turma de Julgamento do Tribunal do Trabalho da Paraíba julgaram procedente o recurso de um trabalhador da empresa Nordeste Segurança de Valores que pediu indenização por danos morais. A decisão considerou o caso como procedimento típico de assédio moral na modalidade bullying.

O trabalhador era empregado da Nordeste Segurança mas atuava no Banco Bradesco, onde fazia a conferência de valores financeiros. Ele alegou que ouvia chacotas e piadas dos vigilantes por usar como farda um macacão cinza e era chamado de presidiário. Informou que ao voltar do horário de almoço, por exemplo, era ofendido com gritos e empurrões dos colegas dizendo que “o banho de sol tinha acabado”. Mesmo tendo informado a diretoria da empresa sobre o fato nenhuma providência foi tomada.

A empresa negou a existência de qualquer ofensa de cunho moral. No processo testemunhas confirmaram a existência de bullying.

Na decisão, o desembargador Francisco de Assis Carvalho e Silva, relator do processo, determinou que a empresa Nordeste Segurança de Valores e o Banco Bradesco indenizem o trabalhador em R$ 20 mil (Processo nº 0037300-76.2012.5.13.0005).

Bullying

No processo o relator afirma que o trabalhador “já tinha recorrido a seus superiores hierárquicos para impedir a continuidade dos insultos, deparando-se, contudo, com a inércia patronal, que se traduziu em permissão velada à permanência do desrespeito e um grupo de empregados, alvo de descriminação” e que houve ofensa a intimidade e a honra do trabalhador.

Segundo o relator “zombarias desse tipo não devem ser toleradas no ambiente de trabalho, tendo o empregador o dever de adotar postura atuante para coibir o mau comportamento desrespeitando colegas e prejudicando a harmonia no estabelecimento”.

Nos processos de assédio moral é comum a atribuição de apelidos ofensivos que exploram a vulnerabilidade da vítima. O acórdão definiu como procedimento típico de assédio moral na modalidade bullying.

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho 13ª Região Paraíba, 30.01.2013

Gostou? Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário